Comédia de Artur Azevedo: Com Claudio Lins e Mariana Gallindo no TJA dia 19/01

A turnê inicia em Fortaleza depois do sucesso da temporada na capital paulista e cidades do interior, depois segue a turnê em São Luís do Maranhão com sessão apenas no dia 21 de janeiro no Teatro Sesc Napoleão Ewerton. Em fevereiro segue para Belo Horizonte, Recife e outras cidades. Em junho encerra temporada em São Paulo no Teatro Sérgio Cardoso.

Amor por anexins é uma farsa escrita pelo dramaturgo e poeta Artur Azevedo, por volta dos anos 1870 e 1907, em São Luís do Maranhão. Nessa montagem de Elias Andreato, a comédia estabelecida por Artur de Azevedo ganha ares ainda mais farsescos e musicado com repertório da música popular brasileira

Na história, o personagem Isaías, interpretado por Claudio Lins, o “Velho Solteirão” é obcecado por anexins (ditados populares) e quer se casar com Inês, Mariana Gallindo, uma jovem e pobre viúva que não se conforma em ser escolhida para ser a esposa desse solteirão. Cabe apenas a Inês aceitar a proposta de Isaías. 

O espetáculo é construído por meio de jogo de palavras e ditados populares, promovendo uma reflexão bem-humorada sobre o amor, o dinheiro e o casamento por conveniência. Os atores cantam o repertório popular brasileiro dos anos 1950 acompanhados pelo piano de Jonatan Harold, que assina a direção musical e sopros de Bia Pacheco.

Para o diretor Elias Andreato, “O autor tinha sincera vocação para a alegria e via na comédia de costumes o melhor caminho para a dramaturgia nacional. Gostava de escrever algo que reproduzisse a verdade e a vida, que possuísse exposição, catástrofe e desenlace, que divertisse e ao mesmo tempo sensibilizasse. O texto trata com humor questões de interesses no amor, trazendo um inusitado jogo de linguagem e saberes coletivos dos anexins que são evocados a “toda prova” na construção da história. ”

Para o ator Claudio Lins, “Montar Amor por Anexins” era um projeto antigo do Elias Andreato. E foi muita sorte tê-lo conhecido no ano passado, quando conversamos e contei-lhe do meu fascínio pela linguagem do Teatro de Revista. Montar um texto do Artur de Azevedo é, para mim, um sonho realizado. Além do mais, é a oportunidade de mostrar para o público uma faceta minha que poucos conhecem: a comédia! ” E a atriz Mariana Gallindo resume como: “Desejo, realização, alegria e gratidão. ”

A Morente Forte faz história desde 1985 em São Paulo, fundada pelas produtoras Selma Morente e Célia Forte. “Há muito tempo queríamos montar um clássico da dramaturgia brasileira. Pensamos em várias possibilidades. Elias Andreato, nosso parceiro de ideias e conquistas, nos sugeriu Amor por Anexins, uma pérola de Artur de Azevedo. Não pensamos duas vezes. Com um roteiro musical especialíssimo, convidamos Claudio Lins e Mariana Gallindo para viver esse casal inusitado e nada romântico para compor essa comédia deliciosamente musical” diz Célia Forte.

Ficha Técnica

Texto: ARTUR DE AZEVEDO

Direção: ELIAS ANDREATO

Direção Musical e Arranjos: JONATAN HAROLD

ELENCO

CLAUDIO LINS

MARIANA GALLINDO

MÚSICOS

Piano JONATAN HAROLD

Sopros BEATRIZ PACHECO

Cenário: ELIAS ANDREATO

Figurino: FÁBIO NAMATAME

Coreografia: MARIANA GALLINDO E CLAUDIO LINS

Iluminação: WAGNER FREIRE

Desenho de Som: JOÃO BARACHO

Assistente de Direção: JUNIOR DOCINI

Confecção de Painéis: AUGUSTO VIEIRA

Visagista: DHIEGO DURSO

Operador de Som e Luz: EDER SOARES

Camareira: JAQUELINE BASTO

Coordenação de Comunicação: BETH GALLO

Assessoria de Imprensa Local: LUCIANA FRANCO

Programação Visual: LAERTE KESSIMOS

Fotos: PRISCILA PRADE

Filmagem: ERIK ALMEIDA

Redes Sociais: EGBERTO SIMÕES

Coordenação Administrativa: DANI ANGELOTTI

Assistência Administrativa: ALCENÍ BRAZ

Produção Local: EGBERTO SIMÕES

Produção Executiva e Administradora da temporada: MARTHA LOZANO

Produtoras: SELMA MORENTE e CÉLIA FORTE

ARTUR AZEVEDO

Artur Nabantino Gonçalves de Azevedo, (São Luís, 7 de julho de 1855 – Rio de Janeiro, 22 de outubro de 1908.) Foi um dramaturgo, poeta, contista e jornalista brasileiro. Ao lado de seu irmão, o escritor Aluísio Azevedo, foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Tendo escrito milhares de artigos sobre eventos artísticos e encenado mais de cem peças no Brasil e em Portugal, Azevedo foi um dos maiores defensores da criação do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, cuja inauguração ocorreu meses depois de sua morte. Suas peças mais conhecidas são A Joia, A Capital Federal, A Almanjarra, O Mambembe, entre outras.

ELIAS ANDREATO

Ator de teatro, cinema e televisão, diretor e muitas vezes roteirista dos seus próprios trabalhos. Sua busca é pela humanidade dos personagens que interpreta e seus espetáculos frequentemente questionam o papel do artista na sociedade e a relação com seu tempo. Construiu uma carreira sólida feita, acima de tudo, pela escolha por personagens/personalidades que pudessem traduzir esse pensamento – Van Gogh, Oscar Wilde, Artaud, são exemplos dessa escolha e resultaram em interpretações marcantes que garantiram a ele um lugar especial no teatro brasileiro.

MORENTE FORTE

Selma Morente e Célia Forte, sócias da Morente Forte Comunicações, empresa especializada em assessoria de imprensa e produção na área cultural desde 1985, direcionam exclusivamente suas atividades às artes cênicas. Participação em mais de 1500 espetáculos teatrais, com ampla experiência de relações públicas em assessoria de imprensa e planejamento para realização de grandes espetáculos, protagonizados pelos maiores artistas nacionais.

PRODUÇÃO DE DESTAQUE

– Quadrante, com Paulo Autran (durante 12 anos).

– O Céu tem que esperar, com Paulo Autran, direção Cécil Thiré.

– Essa nossa Juventude Direção Laís Bodansky.

– Trair e Coçar é só Começar com Denise Fraga e elenco.

– Cruel de August Strindberg, com Reynaldo Ginecchini, Maria Manoella e Erik Marmo. Adaptação e direção Elias Andreato.

– Boca de Ouro, com Marco Ricca e grande elenco.

– O Desaparecimento do Elefante, de Haruki Murakami, direção Monique Gardenberg e Michele Matalon.

– Meu Deus! de Anat Gov. Com Irene Ravache, Dan Stulbach e Pedro Carvalho. Direção Elias Andreato.

– Os Guardas do Taj, com Reinaldo Gianecchini dir. Rafael Primot

– Como ter uma Vida Quase Normal, monólogo com Monique Alfradique dir. Rafael Primot

Artur Azevedo

Serviço:
AMOR POR ANEXINS
THEATRO JOSÉ DE ALENCAR (732 lugares)
Rua Liberato Barroso, 525 – Centro – Fortaleza
Informações: (85) 3101-2586
DIA 19 de janeiro
Quinta-feira 19h
Ingressos Populares
Ingressos: R$ 20,00
Classificação: 12 anos
Duração: 70 minutos
VENDAS:

https://bileto.sympla.com.br/event/79618?utm_source=pwa-symplabileto-production&utm_medium=webapp_share&utm_campaign=webapp_share_event_79618

Apresentações com tradução em libras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s