Eventos: Polpettes da Nonna são as estrelas da culinária da 16ª edição do Festival Italiano de Nova Veneza; saiba como fazer

Sinônimo de comida caseira, que remetem às receitas feitas por vovós, as almôndegas estão presentes na culinária italiana. Conhecida no país europeu por polpettes, elas são feitas com cortes especiais de carne bovina e suína, e estarão no cardápio oficial da 16ª edição do Festival Italiano de Nova Veneza, que neste ano será realizada entre 4 e 7 de agosto, em Nova Veneza, a 39 km de Goiânia, após um hiato de dois anos devido à pandemia de Covid-19.

A festa, que reforça a importância da cultura italiana, tem realização da Prefeitura de Nova Veneza, com patrocínio da Enel Distribuição Goiás, por meio da Lei de Incentivo à Cultura/Goyazes. Tem também apoio da Câmara Municipal da cidade, Governo de Goiás, Secretaria de Estado da Cultura, tendo como correalizador o Sesc-GO.

Levando a mais de 100 anos um sabor simples e aconchegante, as polpettes de tão antigas tem origem incerta. Foi na Itália que ela tomou a forma mais conhecida e se transformou em outras variantes quando chegou ao Brasil, através dos imigrantes italianos, que ocuparam principalmente as cidades de Curitiba, Porto Alegre e São Paulo, onde a presença das colônias italianas são bastante fortes. Há relatos de que o prato remete ao século 15 quando eram feitas com bifes de carne batida juntamente com gordura e especiarias. Com o tempo, as trouxinhas viraram bolinhos. A base de ingredientes, porém, foi mantida.

O toque especial para que o prato fique semelhante ao que é feito na Itália, começa pela escolha das carnes, “quanto melhor for a qualidade da carne, melhor o resultado final”, assegura a chef responsável pela Cantina da Nonna, restaurante oficial do Festival Italiano de Nova Veneza, Vânia Maria Alves. Após esse processo, elas são limpas e tem boa parte das gorduras retiradas.

“Ela tem que ficar suculenta, e não gordurosa, para casar perfeitamente com o nosso molho”, explica a chef Vânia. Os dois tipos de carne são moídos ao mesmo tempo, ou seja, há uma mistura de sabores que fará toda a diferença ao paladar. Logo depois de moer, as cozinheiras iniciam os detalhes do prato e o próximo passo é o tempero. As carnes já moídas são temperadas com alho, cebola e pimentas sem sementes que são previamente batidas no liquidificador junto com a cebola utilizada para que, segundo Vânia, “o ardor não fique em evidência”.

Segredos italianos
O processo de cozimento também é o que tem de mais diferente no processo: as polpettes não são fritas em óleo como no Brasil. Elas são cozidas em água e óleo. “Para cada meio copo de óleo utilizado no cozimento colocamos dois copos de água na panela”, explica a responsável pela Cantina da Nonna. Enquanto as pelotas cozinham, o molho de tomate é preparado. “Usamos o molho pronto de tomate contendo pedaços da fruta. Batemos no liquidificador a cebola, o alho, azeite e sal e adicionamos ao molho”, disse a chef. Ela orienta que as ervas (manjericão, orégano, salsinha e cebolinha) sejam adicionadas à mistura após o molho ferver.

Nesse ínterim, as carnes já estão cozidas e então são adicionadas ao molho. “Depois de misturar as polpettes e o molho deixamos cozinhar por mais 20 minutos. Aí sim já estão prontas para serem servidas”, afirma Vânia. A chef explica que, no Festival, o visitante terá a opção de pedir o prato puro, apenas com molho de tomate, ou acompanhadas de massa ou polenta cozida.

Com o tema “Uma boa massa, bom vinho e, claro, uma boa companhia”, o festival vai oferecer pratos que custarão de R$ 20 a R$ 40. Acesse www.festivalitalianonovavenezago.com e confira todo o cardápio da festa.

O Festival
Com uma estimativa média de público para esta edição de 100 mil visitantes em seus quatro dias, o Festival Italiano de Nova Veneza se enquadra no patamar dos grandes festivais do Brasil. A festa foi criada para valorizar a história da cidade, formada por colonos italianos que vieram para o Brasil há mais de 100 anos. Hoje cerca de 60% de sua população é formada por descendentes e os demais cidadãos adotaram a cultura italiana. 

Neste ano, o festival tem como parceiros as empresas: Constru+ Incorporadora, São Salvador Alimentos, Super Frango, Boua, Bonare, Galo, Renata, Di-Cheff, Fecomércio-GO, Lucas Gás, Interseg Turbo, Quinta do Morgado vinhos e sucos, Cordelier vinhos e espumantes, Ríboli Representações e Sicoob Credicapa. 

Com acesso gratuito para a população, o Festival deste ano será uma mistura de culturas, contará com uma ampla programação dedicada à cultura italiana e a cultura goiana, com exposições, missas, muita música, apresentações artísticas, diversos pratos como as apreciadas massas, sobremesas, bebidas, artesanato e muito mais. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s