Saúde: Uso excessivo de telas X risco de compulsão alimentar em adultos e crianças

Foto: REUTERS/Eric Gaillard

De acordo com estudos, crianças com idades entre 9 e 11 anos nos Estados Unidos que utilizam telas de aparelhos eletrônicos por muito tempo têm mais probabilidade de desenvolver transtorno da compulsão alimentar periódica (TCAP) um ano depois, concluiu o estado. E as redes sociais são as principais culpadas.

Cada hora gasta nessas telas, como uso de redes sociais, foi associada a um risco 62% maior de ter a doença, enquanto cada hora gasta assistindo televisão ou filmes foi associada a um risco 39% maior, descobriu o estudo.

Com a pandemia, levou muitas pessoas a terem mais distúrbios alimentares, e consequentemente aumentou o uso de computadores, TV entre adultos e crianças.

*Para se ter uma ideia, os transtornos alimentares afetam cerca de 4,7% dos brasileiros, sendo que entre os adolescentes esse índice pode chegar até a 10% da população, de acordo com levantamento da OMS (Organização Mundial da Saúde).*

Um transtorno alimentar pode trazer graves consequências para o desenvolvimento, acarretando prejuízos cognitivos e até distúrbios de crescimento. O tratamento dos transtornos alimentares em crianças e adolescentes envolve uma equipe multiprofissional, que conta com médico, psiquiatra, psicólogo e nutricionista. É importante que sejam feitas terapia familiar, terapia individual e uma reeducação alimentar.

Para comentar sobre o assunto, temos o especialista:

Dr Lucas Bifano Mendes Brito – Psiquiatra especializado em gestão e cuidados de medicina de família pela UFMG e Psiquiatria pelo instituto IPEMED Ciências Médicas. Com formação médica pela Faculdade de Medicina de Ipatinga (MG), tem vasta experiência quando o assunto é saúde pública e mental, tendo tido destaque em seu trabalho relacionado ao uso dos jogos eletrônicos e sua relação com a saúde mental. Desde então, trabalha no setor público como médico da família e psiquiatria no setor privado. Atualmente, faz parte do Grupo de estudos Lúdicos (vertente de estudos formada por grandes universidades brasileiras, como a USP), ao lado de grandes nomes nacionais do meio acadêmico, acompanhando diversos estudos e possíveis publicações para mestrado e doutorado. Ele também já foi auditor da secretaria da saúde de Coronel Fabriciano (MG) até o ano passado, tendo atuado na linha de frente do combate ao COVID. É referência em seu município (Ipatinga) e região na promoção e prevenção da saúde. Ainda atua na rede pública de saúde no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de Ibiá (MG).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s