Gourmet: Como escolher espumantes para as festas de fim de ano?

Sommelière Érika Líbero dá dicas para escolher a bebida das celebrações de fim de ano e conta algumas curiosidades sobre os espumantes

Em clima de festas de final de ano, a Sommelière Érika Líbero preparou um Guia dos Espumantes com dicas e curiosidades sobre a bebida sempre popular no Réveillon. 

O espumante é um dos tipos de vinhos mais democráticos. Tem para todos os gostos, todos os níveis de açúcar, todas as cores, todos os bolsos e acompanha todos os tipos de refeição – da entrada à sobremesa.

A Sommelière Érika Líbero começa explicando o que é o espumante: É o vinho que passa por duas fermentações, a primeira para transformar a uva em um vinho base branco ou rosé, e a segunda para adicionar o gás carbônico nesse vinho base.

Métodos para produção de espumante

Há 3 métodos para produção dos espumantes. Para obter um espumante, o vinho base deve ser fermentado novamente para a formação da perlage (aquelas bolhas do espumante). Essa segunda fermentação pode ser feita de dois métodos:

Tradicional

Também conhecido como método champenoise ou clássico, a segunda fermentação ocorre na garrafa.

Charmat

A segunda fermentação ocorre em tanques de inox e só depois é envasado.

Asti: Uma única fermentação

O método Asti é uma variação do método Charmat, mas consiste em uma única fermentação, gerando álcool e perlages de uma só vez.

Nem todo espumante é Champagne ou Prosecco

“Vamos começar já dizendo que nem tudo que borbulha é Champagne ou Prosecco. É muito comum usar os termos ‘champanhe’ e ‘prosecco’ para falar de um espumante.” conta Érika Líbero.

Champagne

O Champagne é o espumante feito em Champagne (região da França) pelo método tradicional (champenoise) com as uvas permitidas em Champagne: Chardonnay,

 Pinot Noir e Meunier. Outras 4 uvas são permitidas (Arbane, Petit Meslier, Pinot Blanc e Pinot Gris), mas estas representam menos de 0,3% da produção de uvas de Champagne. 

Prosecco

O Prosecco é o espumante feito no Vêneto (Itália) pelo método Charmat com a uva Glera. Antigamente a uva Glera era chamada de Prosecco, mas mudou de nome para evitar que espumantes de outras regiões e países que usassem essa uva também fossem chamados de Prosecco.

Cava

O Cava é o espumante da região de Penedés (Espanha) com as uvas Macabeo, Xarel-lo e Parellada. É feito pelo método tradicional.

Não é “A” Espumante e sim “O” Espumante

“É comum ouvir ‘Vou tomar UMA espumante’, mas o correto é UM espumante, substantivo masculino”, destaca Érika que também fala sobre a questão linguística em relação ao Champagne: “O Volp traz champanhe como substantivo masculino e feminino, portanto é permitido dizer “O” champanhe ou “A” champanhe.”

Espumantes brancos podem ser feitos de uvas tintas

Uma das uvas de Champagne é a Pinot Noir, uma uva tinta. Um espumante branco pode ser feito 100% com a uva Pinot Noir. O termo usado para um espumante feito com uvas tintas é Blanc de Noir.

Blanc de Blancs é só com uva branca

Quando encontrar um rótulo com a descrição Blanc de Blancs, se trata de um espumante branco feito exclusivamente com uvas brancas. Em geral, esses vinhos são produzidos 100% com a uva Chardonnay.

Você sabia que a pressão de uma garrafa é superior a 4 atm? 

Um dos fatores que classifica um espumante é a pressão, que deve ser acima de 4 atm. Uma pressão de 4 atm pode causar um bom estrago, por isso, cuidado ao abrir uma garrafa de espumante. A gaiola, aquele arame que segura a rolha, está lá justamente para a garrafa não expulsar a rolha, então, a partir do momento que a gaiola é retirada, a atenção deve ser redobrada para evitar acidentes. 

Érika compara: “Para ter uma ideia do que é 4 atm:

Panela de pressão de 4 litros: 2,5 atm (temperatura acima de 100 graus Celsius)

Pneu de caminhão: 4 atm (depende do pneu).”

E complementa: “Não precisa se apavorar, mas é bom manipular com cuidado. Não aponte a garrafa em direção às pessoas, animais, objetos (cuidado com lâmpadas e lustres!!).”

Já reparou que, em geral, o espumante não é safrado como outros tipos de vinho? 

Geralmente não tem o ano da safra no rótulo do espumante. Isso acontece porque o enólogo faz cortes com diferentes safras para manter o padrão do espumante ano a ano.

O termo Brut encontrado nos espumantes diz respeito ao teor de açúcar

Teor de açúcar do espumante, de acordo com a descrição do rótulo.

Nature: até 3g

Extra–brut: superior a 3g e até 8g

Brut: superior a 8g e até 15g

Sec (ou seco): superior a 15g e até 20g

Demi-sec (meio-seco ou meio-doce): superior a 20 e até 60g

Doce: superior a 60g

No Brasil, há um espumante que pode ser chamado de Champanhe

A Vinícola Peterlongo possui um espumante que pode ser chamado de Champanhe. O Recurso Extraordinário 78.835 concedeu de maneira irrevogável o direito do uso do termo Champagne em alguns de seus rótulos. A Vinícola Peterlongo foi a pioneira na produção de espumantes no Brasil, em 1915.

Espumantes tintos?

Não é muito comum, mas existe. Aqui no Brasil, duas vinícolas já produziram espumante tinto com a uva Merlot: Estrelas do Brasil e Guatambu.

A vinícola Viapiana (Flores da Cunha-RS) lançou um espumante tinto elaborado 100% com a uva Gamay. 

Hamonizações

Érika destaca a versatilidade do espumante: ” É um tipo de vinho que vai bem do começo ao final da refeição. Espumantes harmonizam da salada à sobremesa.” 

A Sommelière dá uma sugestão de ordem para que os espumantes sejam servidos do início ao fim da refeição:

Entrada: Brut/Nature elaborado pelo método Charmat.

Prato Principal: Brut/Nature elaborado pelo método Tradicional.

Sobremesa: Moscatel, elaborados pelo método Asti.

Érika destaca que “a escolha vai depender do gosto pessoal ou da harmonização com os pratos.”

Espumantes feitos pelo método Charmat são mais leves, frescos e frutados. Acompanham bem pratos leves, entradas, tábua de queijos e frios.

Espumantes elaborados pelo método tradicional, em geral, são mais estruturados e cremosos. Acompanham bem pratos com mais estrutura, como peixes assados, aves e até uma feijoada.

Espumantes doces feitos pelo método Asti harmonizam perfeitamente com sobremesas.

O espumante deve ser servido gelado ou resfriado? Por quê?

Os espumantes são servidos gelados para realçar a acidez e não acentuar o álcool.

Antes de servir, deixe por pelo menos 2h30 na geladeira ou uma hora no balde de gelo. Durante o serviço, mantenha no balde de gelo para manter a baixa temperatura. 

Os espumantes brasileiros estão entre os melhores do mundo

“Pode comprar sem medo! Temos espumantes de todos os métodos , todos os teores de açúcar e todas as cores. Recebem vários prêmios mundiais e são elogiados mundo afora. Não tenha medo de comprar espumantes nacionais”, conta Érika.  

Em relação às regiões que produzem espumantes no país, a Sommelière explica que Garibaldi é conhecida como a capital nacional do espumante, já Farroupilha é a capital nacional do Moscatel e a Região do Vale do Rio São Francisco produz excelentes espumantes.

Qual a taça mais indicada para o Espumante? 

A taça mais indicada para servir o espumante é a flüte, mais alta e estreita, para manter o gás carbônico. Caso não tenha, não se preocupe, utilize a taça de vinho, mas sirva em pequenas quantidades. 

Assim como o vinho, o espumante precisa envelhecer ou perde o gás com o tempo?

A maioria dos espumantes já chega no mercado prontos para consumo e em geral são consumidos jovens. A rolha armazena bem o gás carbônico dos espumantes, mas após aberto o gás se perde rapidamente e recomenda-se o consumo imediato.

Que comecem as celebrações de final de ano com brindes de espumantes. Tin Tin! 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s